Para Maia, decisão da Anvisa sobre aprovação emergencial de vacinas é positiva

Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Deputado Rodrigo Maia concede entrevista
Maia: “O desespero das pessoas aumenta a cada dia”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que foi positiva a decisão da AgênciaVigilância Sanitária (Anvisa) sobre as regras para a autorização emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra a Covid-19. Ele disse que, se a agência não tivesse tomado uma atitude, líderes estavam discutindo a possibilidade de instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o atraso dessa decisão.

Maia reafirmou a intenção de votar na próxima segunda-feira (14) a Medida Provisória 1003/20, que autoriza a adesão do Brasil à aliança global coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para garantir o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 e o acesso igualitário a ela.

“Esse tema é de alto risco. O desespero das pessoas aumenta a cada dia, a falta de uma luz no fim do túnel aumenta e daqui a pouco vamos ver os ricos irem para Londres, para o Chile, e os brasileiros mais pobres, contaminados, sem leitos para cuidar dessa doença. A Anvisa certamente viu que essa é uma questão que precisa de solução e a Câmara vai dar outra solução”, afirmou.

Eleição
Maia reafirmou que, nos próximos dias, o bloco partidário do seu grupo político deve indicar o nome do deputado que vai disputar a sua sucessão no comando da Câmara. Para ele, o nome escolhido deve conseguir construir um projeto que garanta a independência da Casa. Mais uma vez, Rodrigo Maia criticou a interferência do Planalto nas eleições da Câmara.

“Precisamos fechar o nome do candidato para ficar mais fácil a articulação. Está cada vez mais claro que tem o candidato do Bolsonaro e do outro lado, o candidato que vai consolidar o outro campo, que, de fato, quer o diálogo e a Câmara livre de qualquer interferência”, criticou Maia.

Fonte: CÂMARA DOS DEPUTADOS

Use o Facebook para comentar e divulgar

Comentário

Deixe uma resposta