Medida provisória adia pagamento de tributos do setor de telecomunicação

Leandro Osório/Palácio Piratini
Comunicação - rádio e TV - switcher televisão jornalismo direção programas equipamentos estúdio
Entre as finalidades dos impostos estão o custeio do Anatel e da Empresa Brasil de Comunicação

A Medida Provisória 952/20 adia para agosto o prazo de recolhimento aos cofres públicos de três tributos devidos pelas operadoras de telecomunicação que venceram em 31 de março. A MP foi publicada nesta quarta-feira (15) em edição extra do Diário Oficial da União.

Os tributos são: Taxa de Fiscalização de Funcionamento (TFF), Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública (CFRB) e Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine Teles).

O pagamento será efetuado, a critério do contribuinte, em parcela única, com vencimento em 31 de agosto, ou em até cinco parcelas mensais, com a primeira vencendo em 31 de agosto.

As parcelas serão corrigidas apenas pela taxa Selic (juros oficiais do Brasil), sem incidência de multa ou juros adicionais.

O adiamento do prazo de pagamento era uma reivindicação das empresas de telecomunicação, que alegavam dificuldade em honrar os compromissos em razão dos impactos econômicos da pandemia da Covid-19 sobre o setor.

A Condecine é recolhida pela Agência Nacional do Cinema (Ancine) e financia filmes e documentários brasileiros.

Já a TFF e a CFRB são recolhidas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e usadas para custear, respectivamente, as atividades da própria Anatel e da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que administra os canais de comunicação do governo, como a Agência Brasil e a TV Brasil. A TFF compõe o Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel).

Tramitação
A medida provisória seguirá o rito sumário de tramitação definido pelo Congresso Nacional em virtude da situação de calamidade pública.

Fonte: CÂMARA DOS DEPUTADOS

Use o Facebook para comentar e divulgar

Comentário

Deixe uma resposta