Líderes criticam conduta de Bolsonaro na crise do coronavírus

Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Ações preventivas da vigilância sanitária e possíveis consequências para o Brasil quanto ao enfrentamento da pandemia causada pelo coronavírus. Dep. Perpétua Almeida (PCdoB - AC)
Perpétua Almeida: Bolsonaro descumpre regras do Ministério da Saúde

Na primeira sessão da Câmara dos Deputados após a declaração da pandemia de coronavírus pela Organização Mundial de Saúde (OMS), líderes criticaram a postura do presidente da República, Jair Bolsonaro, diante da crise. As declarações foram feitas mesmo após orientação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de limitar os discursos em Plenário.

Jair Bolsonaro tem opinado que há histeria sobre o vírus e criticado ações como a suspensão de jogos de futebol com torcida, além de fechamento de estabelecimentos. O fato de o presidente ter saudado manifestantes no domingo também foi alvo de críticas, já que a orientação do Ministério da Saúde é evitar apertos de mão.

A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), disse que é importante manter o Parlamento vigilante e em funcionamento durante a crise. “Do jeito que o presidente se comporta, a situação no Brasil pode vir a ser a pior do mundo. Ele descumpre regras do Ministério da Saúde do seu governo”, criticou.

Fechamento das fronteiras
O líder do Podemos, deputado Léo Moraes (Pode-RO), cobrou o fechamento das fronteiras, especialmente entre Roraima e Venezuela. “Até quando irão esperar, ou melhor, quantas pessoas precisarão morrer para fechar as fronteiras, coisas que outros países já estão fazendo, sendo de esquerda ou direita?”, questionou.

Para a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o Brasil está vivendo um momento de “ausência de comando”.

A líder do Psol, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), afirmou que o governo precisa se mobilizar para minimizar os efeitos da crise. “É preciso suspender atividades, garantindo salário para informais e direitos para a classe artística que teve espetáculos cancelados. Jair Bolsonaro e sua trupe desrespeitam a ciência e fazem política obscurantista”, afirmou.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), minimizou o tom. Ele disse que o Parlamento vai ajudar o governo a enfrentar a crise. “Nenhum Poder trabalha isolado, sem cooperação. O que esperamos é reduzir a letalidade e os danos à geração do emprego”, afirmou.

Economia
Vários líderes falaram sobre as consequências da pandemia de coronavírus na economia. O líder do DEM, deputado Efraim Filho (DEM-PB), afirmou que é preciso aprovar medidas que minimizem danos, como flexibilização de regras do seguro-desemprego e desoneração para empreendedores.

O líder do PSDB, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), afirmou que a Câmara vai estar a postos para votar as iniciativas do governo e do Parlamento para conter a crise.

Fonte: CÂMARA DOS DEPUTADOS

Use o Facebook para comentar e divulgar

Comentário

Deixe uma resposta