Deputados destacam acordo possível para socorro aos estados

 

Após novas mudanças no texto do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) sobre o auxílio aos estados durante a crise do coronavírus (PLP 149/19), parlamentares destacaram que o texto mais enxuto é o possível para uma aprovação neste momento.

Pedro Paulo retirou, por exemplo, o aumento do limite de endividamento em até 8% dos estados, ponto criticado pela equipe econômica do governo federal. Já a arrecadação de ICMS e ISS estará garantida até setembro em patamares iguais aos de 2019. A diferença será paga pela União.

O líder da Minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), lamentou que não foi possível ampliar o endividamento e suspender o pagamento das dívidas dos estados. “Poderia ser mais, mas é o relatório possível, pactuado, um texto que agrega, pacifica e atende ao País no socorro aos estados”, disse.

A deputada Professora Rosa Neide (PT-MT) destacou que os estados dependem da arrecadação para manter os empregos. “Se não tiver socorro aos estados, não haverá pagamento de salários”, afirmou.

O líder do PSB, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), disse que a proposta é a mais equilibrada. “Claro que queríamos um texto mais generoso, mas de maneira equilibrada vamos dar o passo necessário de socorro aos estados”, declarou.

O líder do MDB, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), disse que é um texto muito importante para todos os estados e municípios.

Já o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) afirmou que a votação da proposta é mais um passo nas ações da Câmara dos Deputados, em diálogo com Executivo, para mitigar os danos da crise decorrente do coronavírus. “O texto garante equilíbrio das contas públicas e capacidade para os estados e municípios honrarem os seus compromissos”, disse.

Mais informações a seguir.

Fonte: CÂMARA DOS DEPUTADOS

Use o Facebook para comentar e divulgar

Comentário

Deixe uma resposta